Resenha : Amada Imortal-Cate Tiernan

imortal

Nastasya tem pouco menos de 500 anos e uma vida fabulosa, cercada de amigos descolados, com muita festa e bebedeiras épicas. E é isso. SÓ isso.Ou era, até o dia em que seu melhor amigo, Innocencio, passa dos limites com sua Magick, fere gravemente um homem e faz Nasty repensar toda sua vida. De que adianta viver para sempre se não se faz nada de bom com a vida?

Perdida e confusa, Nasty decide partir em uma viagem incerta, esperando encontrar em outro continente algo que buscou a vida inteira dentro de si – mesmo sem saber. E é aí que uma lembrança muito antiga vai ajudá-la a mudar de vida – ou, ao menos, tentar.River é uma imortal muito antiga – mas muito MESMO! – que tem uma espécie de casa de reabilitação para imortais que gostariam de lidar melhor com seus “dons”. Lembram que falei lá em cima de Magick? Então, isso nada mais é que uma espécie de energia natural dos imortais que, se não controlada e bem trabalhada, pode acabar sendo direcionada para coisas negativas – como o que Innocencio fez.Só que, claro, Nasty não é a única imortal procurando se reabilitar. Na casa de River temos gente de todo o tipo, novos e antigos, bacanas, fechados, simpáticos… Além da popular e do bonitão – Reyn. *suspiros*Se Nastasya já tem uma dificuldade enorme de se encaixar por conta de sua insegurança quanto sua índole, sua aparência meio doentia e largada não ajuda muito, principalmente se estamos falando da linda-e-perfeita Nell. E as coisas se enrolam ainda mais quando o lindo-e-misterioso-deus-nórdico Reyn entra na equação para mexer com seus nervos e com a irritação e o ciúme de Nell.O livro todo gira em torno de Nasty e sua busca por si mesma, pelo que há de bom dentro de seu coração. Narrado em primeira pessoa, a história é envolvente e agradável – apesar de pouco desenvolvida. Acompanhamos o dia a dia da casa, com aulas, tarefas bem distribuídas e uma monotonia quase irritante, mas essencial para a vida da protagonista.A verdade é que o livro inteiro se desenvolve pouco. A escrita da autora, o humor ácido de Nasty, e o próprio pano de fundo são deliciosos de acompanhar, é quase impossível de largar! Mas, ainda assim, a história não anda muito. Não temos longos diálogos ou cenas de ação de tirar o fôlego, mas me senti presa ao livro até chegar ao final!Acho que o livro só tem três pontos negativos: o título enganador (não combina em nada!), a passagem de tempo meio bizarra (Isso tudo acontece em dois meses?! Oi?!) e a história dos amigos de Nastasya, que se perde em certo momento. Acredito que esse último ponto vá, claro, se esclarecer no próximo volume, mas senti falta de mais informações nesse.O cenário criado por Cate Tiernan é simples, e sua falta de complexidade torna a leitura ainda mais prazerosa. Não existe uma grande explicação mágica para o surgimento dos imortais, eles simplesmente estavam lá desde sempre. E isso basta.O livro é um young adult de primeiríssima qualidade, de escrita fluida e envolvente, com altas doses de humor e uma boa pitada de drama adolescente (apesar dos personagens serem adultos, vai entender, hehe). Nastasya, River e até Reyn conseguem ser cativantes e adoráveis – enquanto outros são apenas detestáveis, como Nell -, nos deixando apaixonados por sua história e torcendo para que tudo dê certo no final.Por trás de toda a simplicidade do primeiro volume há uma história mais complexa envolvendo as Casas Imortais, a própria Nastasya e tudo o que ela viveu, e o que promete ser um enoooorme gancho para os próximos dois livros que completam a trilogia. Isso sem contar os amigos de Nasty, que estão loucos de saudade e sentindo sua falta…Estava precisando de um YA sobrenatural que fosse além de humanos se apaixonando por criaturas, e todo o drama habitual. Recomendo muito, muito, muito, especialmente para quem ama um bom livro com uma pitada de romance e boas horas de leitura garantidas!

Anúncios